25 de julho de 2010

Ela bailarina, ele personagem.

Ela bailava pelo palco, deixando seus rastros, expressando sorrisos, a delicadeza de seus gestos e o amor em seu coração. Um dia encontrou um outro personagem, que se dizia ser meio esquecido, meio sem memórias, e apenas com algumas lembranças mal recordadas. Ela o convidou para dançar. Ele consentiu, e começaram a valsar. Ela lhe deu a mão, ele pegou em sua cintura. Os olhares se cruzaram e se entenderam então. A música que começara a tocar era a mais bela: livre de mentiras ou traição. Ela jamais terminou.
Começaram assim a escrever páginas de um livro sem título nem pudor, onde ficavam registradas a saudade mais linda, a amizade mais sincera, os sorrisos mais bonitos, as poesias das manhãs, o carinho na pele, os versos das noites sem estrelas, o cafuné, o violão, o cantar... o coração.
A bailarina era atriz no palco, e precisava de seu personagem para cuidar dela quando ficava sozinha, ou triste, ou doente. O personagem sabia cuidar da bailarina, e a fazia amanhecer brilhando, vivendo a vida mais leve, tirando a sua dor. Era um cuidado sem forma, sem cor, nem explicação. Mas era o único que a fazia bem. O cuidado também ficava no livro que eles criaram em si, do ré mi fá.
O palco parece pequeno sem o teu cuidado. Sem seu personagem, a bailarina atriz não fica de pé.
De todas as formas de atuar, ela encontrara a mais bela. E quando o cenário se fazia frio, ele a levava pra dormir num só colchão, e a guardava com ele. Ela, ele e a imensidão.
E eles sonhavam que brincavam na roda-gigante de esconde-esconde. Ele às vezes contava histórias para que ela dormisse feliz. E quando ele dormia, ela acordava e guardava todas as suas cores. O seu cheiro e o seu ninar. Eles perto da imensidão se faziam tão pequenos... mas eram gigantes no coração. Ele guardou pra ela o amor que nunca soube dar, e ela, aquele que nunca entregou nem repartiu.
A peça então era a mais bonita, toda feita com folia, alegria e inspiração.

7 comentários:

  1. Uma palavra... MACARRÃO! é isso..

    ResponderExcluir
  2. Não entendi seu comentário, serelepe, mas tuuuuudo bem! :)

    ResponderExcluir
  3. ADOREEEEEEEEEEEEEEI, AMOR!!
    "E quando o cenário se fazia frio, ele a levava pra dormir num só colchão, e a guardava com ele. Ela, ele e a imensidão". Tão lindo... meus olhinhos estão brilhando *-*. Amei sua intertextualidade, você conseguiu captar e traduzir tudo o que é mais importante pra mim, e mais ainda, a nossa essência! Você é... cara, nem sei o que dizer... PERFEITA!
    **************-******************

    ResponderExcluir
  4. Eu sorri do começo ao fim. Tente ler esse texto ouvindo a música 'No Coldplay On The Beach - Juno Remix' da banda 'Angelis', muito lindo!

    ResponderExcluir